terça-feira, 6 de setembro de 2011

Coração/ Coragem / Saudade/Liberdade



Apaixonados

Em um dia comum, um homem correu o risco de se liberta de suas convenções e amou. Nada de anormal.
Alguns dizem que sempre chega a hora de se encontrar com esse sentimento, ás vezes temido, ás vezes perseguido, contudo, difícil de ser vivenciado sem dor...
Corria por estradas inesperadas. Enquanto por ela esperava a imaginação fluía, passagens trágicas em sua mente apareciam. E nada de sua amada...
Chegando a hora marcada, com sua querida se encontrou. Era ela, mesmo, a tão esperada moça que seu sonho povoou pela madrugada...
O coração parecia querer sair do peito... Batidas alteradas... Emoção... Calor...
Naquela hora ele pensava em qual seria o motivo dele não ter sentido aquele arrepio gostoso antes... Perguntava-se, incessantemente, das coisas que o fazia se sentir fora de si. Com vontade de cair nos braços daquela dama...
Era ela então, a escolhida por seu coração.
(...)
Enquanto isso, a menina se fazia mulher desde a saída de casa. Querendo de algum jeito se sentir mais segura... Dava medo só de pensar na face que lhe aguardava.
Para ela, não era a primeira vez que o frio atingia suas entranhas. Embora, fosse a primeira vez, que algo mais lhe atingia a mente: a espera desgarrada por sentir o abraço esperado enquanto a noite passava...
Em meio à caminhada, perna bamba, desesperada, pensava: como queria que a reação de seu amado estivesse carregada de desejo, carinho. Em polvorosa estava...
Queria ver no rosto do rapaz mais do que a expressão pode mostrar. Queria ver os impulsos nervosos em sua conexão rápida a selecionar seus atos mais sutis...
Chega a hora do encontro... Nada mais a atormenta... Era ele, seu príncipe encantado, parado como que chamando calado seu nome no vento...
(...)
Quantas coisas passam na cabeça dos apaixonados nos instantes que antecedem o encontro tão sonhado... Um enredo que construiu milhares de filmes românticos, trágicos ou não. Presentes nas poesias de leste a oeste do mundo. Carregados do desejo de emoldurar de alguma forma aquele tão incontrolável sentimento.
Talvez a paixão seja o tormento do ser humano, o que lhe faz sofrer em vão. Faz-lhe ficar pequeno, como criança. Perder a noção do perigo de não saber o fim da estrada...
Gostoso ou não, é bom preparar o coração pra sua chegada...
(HCQF/out-2011)